segunda-feira, 23 de abril de 2012

"Iauretê" chega ao Teatro Gamboa Nova



Grupo de Teatro Palmares Iñaron e Oficina de Investigação Musical
Apresentam
IAURETÊ
Quando: 03, 10, 17, 24 e 31 de Maio de 2012
Sempre às Quintas-Feiras, 20h.
Local: Teatro Gamboa Nova, Rua Gamboa de Cima, nº3
40060-008 Salvador, BA
Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)

O espetáculo IAURETÊ marca os 33 anos do Grupo de Teatro Palmares Iñaron. A peça é uma livre inspiração do conto Meu Tio O Iauaretê de Guimarães Rosa e da obra literária Maíra de Darcy Ribeiro, além de depoimentos verídicos registrados na I Assembléia de Índios realizada em Merurí – Mato Grosso em 1977 e cruza as histórias de dois personagens: Oxim um místico caboclo onceiro, interpretado por Victor Kizza (Barrela, Uma Mulher Vestida de Sol) e Mehín Índio que ganha vida com a interpretação de Maria Janaína (Água que Lava Alma) e revela a ancestralidade e os impactos da colonização nos povos indígenas brasileiros. IAURETÊ é adaptado e dirigido por Lia Spósito (Macunaíma, Cangaço, O Trem Baiano) e ainda conta com a direção musical de Bira Reis e a orientação artística de Antônio Godi. O espetáculo foi premiado no FIT – Festival Nacional Ipitanga de Teatro na edição 2010 com o Troféu de Melhor Ator para Victor Kizza e se destacou por representar a Bahia e o nordeste no Festival de Curitiba 2011.
IAURETÊ estreou em outubro de 2010 e desde então vem realizando temporadas de apresentações e participando de festivais de arte e cultura na Bahia e no Brasil e já atingiu uma estimativa de público que ultrapassa a faixa de 5.000 expectadores. A peça aborda as questões ancestrais e atuais dos povos indígenas do Brasil e revela uma possibilidade determinante de se refletir sobre estas questões no âmbito da arte, cultura e produção de conhecimento. Assim, o espetáculo IAURETÊ visa contribuir com a difusão e aplicação da Lei 11.645 – esta que é uma lei federal de educação, sancionada em 2008 e obriga as unidades de ensino, públicas e privadas, a programarem em seus currículos o estudo da África, dos afro-brasileiros e dos povos indígenas no Brasil. A peça já estabelece estratégias de alcançar o público da comunidade escolar baiana, desde a sua estréia e indica uma média de 2.500 jovens estudantes e educadores da rede pública de ensino de Salvador e Lauro de Freitas/BA que assistiram ao espetáculo IAURETÊ e puderam dividir com a equipe da peça seus anseios e reflexões acerca do tema que inspira este trabalho.

Sobre o Palmares Iñaron

O Grupo de Teatro Palmares Iñaron foi fundado em 1976 por Antônio Godi e Lia Spósito, juntamente com Kal dos Santos e Ana Sacramento e cultiva, ao longo da sua trajetória, uma proposta de trabalho voltada para as questões étnico-sociais e culturais do afro-brasileiro, dos povos indígenas e do sertanejo, baseando-se na importância de se refletir sobre o convívio na diferença, sobre como pensar a diferença entre os povos, culturas, tipos físicos e classes sociais, compreendendo-a e vivenciando-a com respeito.
O nome do grupo relaciona palavras ligadas às culturas; negra e indígena e trata-se, portanto, de valorizar essas duas culturas. Palmares Iñaron significa então, Palmares Ensandecido, atribuindo homenagem à história de Zumbi e fazendo referência à terminologia de origem indígena Iñaron - que designa um estado de perturbação mental e espiritual, nos índios, por conta das influências da colonização capitalista. O trabalho do Palmares Iñaron parte de um estudo antropológico associado a uma pesquisa estético-teatral que determina uma maneira própria para interpretar as realidades diversas, desvendadas pelo olhar apurado de quem quer descobrir personagens, fatos e situações.
O trabalho do grupo desenvolve uma linguagem característica, inspirada na essência do povo brasileiro com suas raízes e origens que constituem a nossa formação cultural. Em sua trajetória o Grupo de Teatro Palmares Iñaron montou importantes espetáculos, a saber: Estórias Brasileiras (1977) e Usura Corporation (1978), este que foi indicado para o Prêmio Martin Gonçalves de Teatro, à época, nas categorias de Melhor Texto para Antônio Godi e Melhor Atriz para Lia Spósito, além da realização da Leitura Dramática de Documentos Negros (Revolta de Búzios) em uma das reuniões que marcavam a constituição do Movimento Negro Unificado em 1979, no antigo Espaço Sucupira, onde hoje funciona a Prefeitura de Salvador.

Ficha Técnica Completa: IAURETÊ
Realização: Palmares Iñaron e Oficina de Investigação Musical O.I.M
Texto: IAURETÊ (Adaptação das obras; Meu Tio O Iauaretê de Guimarães Rosa e Maíra de Darcy Ribeiro)
Adaptação e Direção: Lia Spósito
Elenco: Maria Janaina e Victor Kizza
Orientação Artística: Antônio Godi
Direção Musical e Multimídia: Bira Reis
Percussão: Alessandro Mônaco, Marquinhos Black
Produção Executiva: Grupo de Teatro Palmares Iñaron
Iluminação: Everton Machado
Assistente Técnico: Nildo Brito
Fotografia: Aldren Lincoln 
Programação Visual: Letícia Martins

Enviado por : Victor Kizza
(71) 9188-3292 / (71) 8676-9388
victorkizza@gmail.com
www.palmaresinaron.blogspot.com

Nenhum comentário: