segunda-feira, 28 de novembro de 2011

"Para Dinha Gay" com samba no Rio Vermelho


O largo da Dinha no Rio vermelho terá um colorido especial, muita diversão, cultura e arte durante a 1ª ParadinhaGay do Bairro que acontecerá no dia 3 de dezembro das 17h ás 22h recheada de atrações musicais, performances e exposições fotográficas. Além da luxuosa abertura oficial, que será feita pela cantora Juliana Ribeiro interpretando o hino Nacional ao cair da noite.

A concentração será no próprio largo onde será instalado o palco para as apresentações das bandas Chita Fina, Limusine juntamente com a Charanga de Canaveiras além da participação especial de Jota Veloso, Karol Guattolini, Marilia Sodre ,Stela Maris Marcia Short e as meninas do Três na Folia estão entre as atrações da paradinha.

Para abrilhantar mais a festa haverá o brilho e desempenho dos atores do elenco do espetáculo “Sou Transformista, Mereço Respeito” que prometem causar no boêmio bairro do Rio Vermelho.

A batida eletrônica ficará por conta do DJ Phelphz e Dj Pimenta em um set todo preparado para o evento


enviado por Genilson Coutinho

Bloco Afro Ilê Aiyê encerra "Ano Afrodescendente"



O Bloco Afro Ilê Aiyê e seus convidados de "peso"realizam no próximo domingo ( 12/11), às 11hs , no Parque da Cidade o show de encerramento do Ano Internacional Afrodescendentes!
Gratuito

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Sarau literário homenageia mulheres baianas

Ministra Luiza Bairros homenageia Abdias Nascimento



No início da tarde deste domingo (13/11) durante o I Seminário Afro Brasileiro na cidade de União de Palmares no Quilombo Serra da Barriga em Alagoas a ministra Luiza Bairros , da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, falou ao público de cerca de 600 pessoas sobre a importância de Abdias Nascimento ao Movimento Negro Brasileiro .

A caravana da Bahia contou com a parceria da Universidade Estadual da Bahia (UNEB),Secretaria de Educação do Estado da Bahia (SEC), Secretaria de Justiça Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH) que juntas doaram seis ônibus que reuniu cerca de 275 militantes baianos.

O seminário foi uma realização do Fórum de Entidades Negras da Bahia e contou com o apoio Fundação Palmares, Fórum de Entidades Negras do Brasil,Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Brasil,Governo do Estado de Alagoas e Secretaria Municipal de Turismo de União de Palmares.

Texto/Foto e Vídeo: Patrícia Bernardes



terça-feira, 8 de novembro de 2011

As “Olimpíadas da Corrupção” e as Normas Brasileiras de Contabilidade diante do Projeto de Lei da FIFA - Copa 2014 no Brasil

O presente artigo pretende apresentar de forma jornalística os últimos acontecimentos jurídicos e sociais diante da eminência da realização das Olimpíadas de 2014 no Brasil, a implementação do Projeto de Lei da FIFA dispondo preliminarmente as disposições dos eventos relacionados que serão realizados nos estados sorteados no Brasil e a crise de corrupção recente tendo como pano de fundo as Organizações Não Governamentais (ONGs) e o Ministério dos Esportes diante da ausência da aplicação das Normas Brasileiras de Contabilidade.

Palavras-chave: Jornalismo – Normas Brasileiras de Contabilidade- Copa 2014-Projeto de Lei da FIFA - ONGs


Introdução

O cenário financeiro político mundial vive um “terremoto” constante, presente em suas cotações de valores/investimentos, no que diz respeito a mudança na forma de execução da Nova Contabilidade e a chegada do Comitê de Pronunciamentos Contábeis que instaurou o CPC00. Desde a convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs) para o International Accounting Standards Board ( IASB), os gestores públicos/privados brasileiros assistem à exposição diária de suas contas bancárias em veículos de comunicação de rádio, tv e mídia eletrônica, como forma utilizada por estes veículos de “deliciar” seus telespectadores com análises financeiras desniveladas dos “rombos” nos cofres públicos no Brasil.

Personagens/protagonistas como o Tribunal de Contas da União (TCU), a Federação Internacional de Futebol/ Fédération Internationale de Football Association (FIFA) , o Ministério dos Esportes e o repasse sem notificação fiscal para Organizações Não Governamentais (ONGs) tem sido alvo constante de pautas em mídias eletrônicas e , desta forma, tem feito a opinião pública brasileira melhor se posionar , já que a intenção é “descortinar” o que realmente vai ser feito com o dinheiro liberado pela FIFA aos cofres públicos do Brasil – cerca de 1.83 bilhões em 2012.

A entidade (FIFA) gastará com o evento no País cerca de US$ 1,38 bilhão (R$ 2,54 bilhões), aproximadamente US$ 300 milhões (R$ 550 milhões) a mais do que na África do Sul , segundo análise financeira publicada no site AGECOPA 2014. Ainda falando sobre os atrasos na entrega nas obras nas cidades sedes o

AGECOPA 2014 afirma que:

A renda esperada no Brasil é de US$ 600 milhões (R$ 1,1 bilhão) superior à Copa da África do Sul e três vezes o que se calculou em 1998, na França. A esperança da entidade é a de garantir que tenha lucros de pelo menos US$ 200 milhões (R$ 368 milhões) ao final do torneio. US$ 2,2 bilhões (R$ 4 bilhões) da receita virão da venda de direitos de transmissão. No que se refere ao marketing, à renda será de US$ 1,6 bilhão (R$ 2,9 bilhões).

Diante disso, os “olhos” do mercado financeiro mundial se concentram, dia após dia, em acompanhar o “desenrolar” das negociações e autorizações de depósitos financeiros da FIFA com o Brasil. Segundo a Resolução do Conselho Federal de Contabilidade, o CFC 1.111/2007 que aprova o Apêndice II da Resolução CFC 750/93 e que trata sobre o conteúdo e a abrangência dos Princípios Fundamentais de Contabilidade sob a perspectiva do Setor Público, a Receita Federal “cresceu os olhos” em cima das transações bancárias entre as empresas públicas e privadas envolvidas na implantação das construções dos espaços físicos necessários para a Copa 2014 e, então, criou- se a “CPI da Copa”.

Visando o seu marketing político pessoal para a candidatura de seus “apadrinhados de partido” nas Eleições de 2012 em todos os estados brasileiros, inicialmente 34 deputados federais assinaram a carta /pedido de CPI para ser enviada ao Congresso Nacional, segundo informações oficiais do site do jornal Folha. Com. Em março deste ano, segundo o site, os mesmos 34 deputados retiraram as suas assinaturas, um dia antes da chegada da visita de Ricardo Teixeira, presidente da CBF.

As operações de combate a fraudes fiscais não cessaram e em agosto último, o site do Jornal O GLOBO noticiou que:

A execução da “Operação Alquimia” realizada em parceria com a Polícia Federal (PF) , Ministério Público Federal (MPF) e em 12 estados (MG, BA, AL, CE, ES, PE, PR, RJ, RS, SP, SC e SE.) envolvendo 90 auditores fiscais , avaliando um prejuízo aos cofres públicos de R$1 bilhão. Entre as empresas suspeitas de fraude, estão a Sasil, empresa de produtos químicos e termoplásticos com sede na Bahia e a Varient, também pertencente ao Grupo Sasil, só que com atuação em São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Segundo O GLOBO, a PF espera reaver a quantia desviada espalhadas por cerca de 300 empresas nacionais e estrangeiras com sede nas Ilhas Virgens Britânicas.

Qual a reflexão a ser feita diante destes fatos?

Rocha Sobrinho (2010, p.278) informa que:

Há necessidade de um Conselho de Ética que regule a natureza das matérias jornalísticas que acusem alguém sem provas concretas, peças publicitárias que estimulem o consumismo em prol da maximização do lucro, em detrimento da qualidade de vida. Cada vez mais brasileiros e brasileiras de baixa renda identificam em sua identidade social a necessidade de “burlar” as leis presentes na Constituição Brasileira para o exercício que os mesmos julgam ser correto da Cidadania Empresarial.

O escândalo noticiado em todas as redes de comunicação sobre o Programa Segundo Tempo envolvendo o ex- ministro dos Esportes Orlando Silva junto a Organizações Não Governamentais (ONGs) e Gestores Estaduais no Brasil confirmou as suspeitas. Segundo o blog Radar Político do Site Estadão. Com, os escândalos estão longe de acabar. Os inquéritos investigando as denúncias sobre o caso já foram enviados ao Superior Tribunal de Justiça mais há uma “duvidosa” morosidade em se encontrar quem são os verdadeiros “cabeças” da fraude de cerca de R$ 40 milhões aos cofres públicos.

O G1.COM no mês de agosto montou até uma matéria explicativa de como podem ser feitas as fraudes entre as ONGs e os órgãos federais. Segundo a reportagem, a Controladoria Geral da União averigua que entre 2004 e 2010, ONGs receberam R$ 23,3 bilhões dos cofres públicos federais. Como estimular a aprovação acelerada do Projeto de Lei da FIFA para entrar em vigor já em 2012, com este caos interno aberto ao público nacional e internacional?

Diante dos Princípios da Contabilidade, o Brasil está longe de aplicar o princípio da Continuidade já que nas operações judiciais de combate as fraudes os primeiros a serem detidos são os contadores e administradores. As sanções previstas pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) primam pelo cumprimento das punições dentro do Código Penal, Código Civil e determinações no Imposto de Renda deixam claras como “despreparada” e “artesanal” são feitas as transações entre as “laranjas” das ONGs envolvidas e os “meliantes” dos órgãos federais. Sanções estas que estão “atentando” contra os próprios profissionais contábeis associados ao CFC por cumplicidades aos seus “patrões”.

Desenvolvimento

Glória Gohn, autora do livro “Mídia, Terceiro Setor e MST – Impactos sobre o Futuro das Cidades e do Campo” afirma que as empresas organizam e participam de eventos, produzem vistosos materiais informativos e de propaganda de seus trabalhos. Diante disso, Gohn não deixa de retratar a importância que as reduções de impostos e outros incentivos que se fazem presente neste cenário, assim como alterações na própria política e legislação de pagamento de tributos , possibilitando que se aplique um percentual do imposto devido ao poder público em obras sociais. Contemplando esta situação, a análise da autora finaliza confirmando a ação contundente quando é observado um tipo de entidade do terceiro setor que está se proliferando com muita rapidez: as Organizações /Associações ou Fundações criadas por grandes empresas privadas.

Gohn (2000, p. 98) entende que:

Desde os anos 90 a novidade é o trabalho social de várias empresas voltado para a comunidade exterior, extramuros, como a favela ao seu lado, ou um grupo de crianças carentes ou escola da periferia. Para tal, as empresas criam fundações, institutos, com quadros profissionais assalariados ou redirecionam o seu pessoal, para atividades no terceiro setor.

Exemplo disso são as novas manchetes que estampam os jornais impressos e as demais mídias eletrônicas do Brasil. O site Clipping - Seleção de Notícias, da Secretaria de Planejamento do Governo Federal, os escândalos das fraudes neste mês de novembro estão em torno do Ministério do Trabalho, sob mesmas acusações, tendo como protagonista Carlos Lupi.

Dados da própria assessoria do ministro afirmam que quando Lupi assumiu a pasta do Trabalho, em 2007, foram conveniados, em média, R$350 milhões por ano, sendo que R$1,554 bilhão foram feitos com estados e municípios e R$448,8 milhões firmados com instituições privadas sem fins lucrativos, as ONGs. A Controladoria Geral da União (CGU) e a Polícia Federal ( PF) apontam indícios de fraude de cerca de R$11,2 milhões espalhados em convênios por cerca de 26 entidades.

Dentro dos princípios da Contabilidade, a resolução do CFC n. 750/1993 o artigo 4º prerroga que o princípio da entidade reconhece o Patrimônio como objeto da contabilidade e afirma a autonomia patrimonial, a necessidade da diferenciação de um Patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes, independentemente de pertencer a uma pessoa, um conjunto de pessoas, uma sociedade ou instituição de qualquer natureza ou finalidade, com ou sem fins lucrativos. Desta forma, o patrimônio da empresa jamais se confunde com o dos seus sócios, o que não está acontecendo ao longo dos anos no Brasil em questão.

Com relação aos princípios da competência e da prudência é vigente os desníveis presente nas transações financeiras atuais. A própria aprovação “recorde” da FIFA aos cofres públicos brasileiros em ritmo acelerado, deixou clara a forma “primata e inábil” da NBCT 16.5 referentes aos registros que devem ser realizados pelos respectivos fatos gerados no momento da execução orçamentária.

Como prevê estas demandas diante de tantos escândalos? As entidades de defesa do consumidor já iniciaram seus protestos contra os gestores da FIFA e o seu poder “excessivo” na legislação brasileira.

Como diferir o ato contábil do fato contábil diante das transações “corrompidas” executadas no Brasil desde a sua vitória no sorteio transmitido para todo o mundo em 2010? Eis a questão que não quer calar.

Referências

A GAZETA ESPORTIVA COPA 2014. FIFA aprova orçamento recorde para a Copa do Brasil 2014. Estadão. Disponível em: http://agecopa2014.com.br/copa-2014/fifa-aprova-orcamento-recorde-para-a-copa-do-brasil-2014. Acesso em: 11/06/2010

ÚLTIMO SEGUNDO. Câmara ouve Comando Geral da FIFA e da CBF sobre a Lei Geral da Copa. Disponível em: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/camara-ouve-comando-da-fifa-e-da-cbf-sobre-lei-geral-da-copa/n1597357981832.html. Acesso em: 08/11/2011

FOLHA. COM. Loby dá certo, e CPI da COPA 2014 perde força. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/esporte/893693-lobby-da-certo-e-cpi-da-copa-2014-perde-forca.shtml. Acesso em: 25/03/2011

WEBER. Demétrio. O GLOBO. Operação Alquimia da PF tem entre os seus principais alvos as empresas Sasil e Varient. Disponível em: http://oglobo.globo.com/pais/mat/2011/08/17/operacao-alquimia-da-pf-tem-entre-seus-principais-alvos-as-empresas-sasil-varient-925144689.asp Acesso em: 17/08/2011

CARVALHO. Jailton. PORTAL CLIPPING MP. Farra das Ongs, agora no Trabalho. Disponível em: http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/11/6/fraude-em-convenios-com-ongs-se-repete-no-trabalho Acesso em: 06/11/2011.

ROCHA Sobrinho, João. Uma história do exercício da cidadania do Brasil.1 ed. Feira de Santana, 2010.

GOHN, Maria da Glória. Mídia, Terceiro Setor e MST: impactos sobre o futuro das cidades e do campo. Petrópolis, RJ: Vozes: 2000.

D’AGOSTINO. Rosanne. G1.COM. Entenda como ocorrem fraudes entre ONGs e Governos. Disponível em : http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/10/entenda-como-ocorrem-fraudes-nos-convenios-entre-ongs-e-governos.html Acesso em: 27/10/2011

PORTAL BRASIL. Orçamento de 2012 reserva R$1,82 bilhão para Copa do Mundo e Olimpíadas. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2011/09/01/orcamento-de-2012-reserva-r-1-82-bilhao-para-copa-do-mundo-e-olimpiadas Acesso em: 01/09/2011



sábado, 5 de novembro de 2011

Informações e Credibilidade



Responda depressa quem se acha esperto
Quem sabe de tudo que é certo na vida Porque que a cara feroz da mentira Nos pode trazer tanta felicidade Porque que na hora da grande verdade Às vezes o povo se esconde se esquece (Verdades e mentiras, de Sá e Guarabyra)
* Por Inaldo da Paixão Santos Araújo

Uma das maiores redes de informação do País enaltece, como princípio editorial básico, que entre “o furo de reportagem e a verdade”, a segunda deve sempre prevalecer.
E buscar a verdade, o fiel, o certo, significa tempo, recursos, paciência, reflexão, trabalho investigativo, saber ouvir a outra parte, critério, dedicação, e, acima de tudo, prudência, responsabilidade e ética.
Uma outra rede considera, como condição essencial para a geração de conhecimento, que o jornalismo observe os atributos da “isenção, correção e agilidade”. E destaca:
“Deve-se perseguir o furo jornalístico, a informação exclusiva, em primeira mão, mas jamais se descuidar dos outros atributos da informação de qualidade: a isenção com que é produzida, ouvindo-se todos os lados nela envolvidos, e a correção dos dados nela apresentados. Notícia errada ou enviesada não é furo; é um golpe na credibilidade do veículo.” (Grifos não se encontram no original)
Se é verdade que para fatos não há argumentos, o que se pode dizer de um texto tão bem escrito quanto claro e que é considerado um dos princípios editoriais do maior grupo de comunicação do Brasil? Teço loas. Que sirva de exemplo e modelo.
Assim, não pode haver semblante de dúvidas de que a credibilidade de um meio de comunicação, seja “jornal de folhas” (somente para homenagear Zé Ramalho), revistas e blogs, será sempre diretamente proporcional à sua seriedade. E não é por acaso que seriedade rima com verdade.
Um recente escândalo envolvendo grampos telefônicos fez um dos maiores conglomerados de comunicação inglês, o Grupo News Corporation, perder US$7
bilhões em valor de mercado, em 4 dias. O seu principal tabloide semanal, de maior circulação, “News of the World”, deixou de ser publicado após 168 anos de existência.
Esse episódio da falta ética na busca e divulgação de informações, na terra da Rainha Mãe, retrata com fidelidade a importância da conjugação e da prática dos atributos de um bom jornalismo, em especial, a credibilidade.
Como, por princípio, sou um defensor da transparência e da liberdade de imprensa, bem como gosto de recorrer aos especialistas sobre essa importante questão, ouso recomendar a leitura do objetivo artigo “Imprensa, crime e castigo” (A Tarde, 25/07/2011), de Carlos Alberto Di Franco, professor de Ética e doutor em Comunicação, em especial, no trecho onde ele cita Gay Talese, “um ícone do jornalismo mundial”, sobre uma das chagas que ameaçam a credibilidade jornalística, e que a seguir reproduzo:
“´Não fazemos matéria direito, porque a reportagem se tornou muito tática, confiando em e-mail, telefones, gravações. Não é cara a cara. Quando eu era repórter, nunca usava o telefone. Queria ver o rosto das pessoas. Não se anda na rua, não se pega o metrô ou um ônibus, um avião, não se vê, cara a cara, a pessoa com quem se está conversando`, conclui Talese. Hoje temos muita tecnologia e pouco jornalismo. É jornalismo sem rosto e sem alma”.
Criar ou divulgar um “fato” sem o contraponto, sem prova, ou completamente distorcido da realidade, não conduzindo à verdade, e que se desmancha ao primeiro sopro, é repugnante. Se essa premissa é verdadeira, como classificar aqueles meios de comunicação parasitas que reproduzem a ratada sem, por vezes, citar a fonte de obtenção e somente com o fim pérfido de disseminar o mal?
Agir dessa forma, tendo como princípio somente a notícia pela notícia, não pode prosperar em um jornalismo de prestígio, pois não é furo, é furada.
Como a minha seara de atuação é outra, posso afirmar que tudo o que aqui foi dito também prevalece no universo auditorial. Já escrevi amiúde que o auditor, antes de emitir sua opinião e comentários, deve estar seguro de que não há dúvida cabível em relação ao que vai ser reportado, pois uma afirmação mal posta e sem o devido suporte evidencial, sem ouvir adequadamente as partes envolvidas, além de farisaico, pode comprometer indevida e injustamente a vida privada de pessoas e de famílias e o resultado de empreendimentos.
É plangente tentar macular, vil e injustamente, a honra alheia, que é, assim como a vida e a liberdade, um dos bens mais valiosos que possui o ser humano. Não se olvidando, aqui, que vida sem liberdade é prisão, liberdade sem honra é morte.
E, ao refletir sobre essas questões, vejo o quanto procede o pensar de Sá e Guarabyra, pois quem pode saber “de tudo que é certo na vida”? Onde está a verdade, onde está a mentira?
Dessa forma, é imperioso o repensar antes de qualquer ação e dizer. Entre o fato e a versão, como digo, existe o infinito. Outro aspecto fundamental é que o bom profissional deve procurar entender o fato e o contexto, pois há a possibilidade das aleivosias. É preciso saber o porquê. Além disso, não se deve esquecer que a sabedoria popular ensina que palavra dita e pedra atirada não voltam. Depois, somente resta o “se” *...+
Nessa linha de pensar, torna-se imperioso aprender, seja na atividade profissional, seja na vida pessoal, que se deve agir sempre com serenidade e lhaneza, mesmo que o outro lhe recomende o embate. A sabedoria sagrada ensina que “bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores”. (Salmos 1, 1)
Sempre é bom rememorar que Chico Xavier (quanta saudade!), certa feita, queixou-se ao seu Mentor Espiritual Emmanuel, pois não aguentava mais a provação, as mentiras, a inveja, a vendeta e as constantes difamações que os pobres de espírito lhe dirigiam.
Emmanuel, com serenidade, lhe respondeu: “Chico, se o que dizem é verdade, não reclame. Se são mentiras, ignore”.
Seguir esses ensinamentos e esquecer, quando se é vítima de uma informação jornalística distorcida (lembram-se da recente declaração de Sandy?) ou até mesmo de um relatório auditorial mal posto, às vezes, é difícil, muito difícil. Somos homens, não somos santos, porém a caravana sempre passa e o que resta é o caim.
Não se pode deixar de reconhecer, também, que existe a possibilidade do erro e não só a da fraude informacional, a que todos estão sujeitos. Nesses casos, recorro mais uma vez a quem sabe e repiso o dizer de Carlos Alberto Di Franco no artigo suso:
Uma imprensa ética sabe reconhecer os seus enganos. Reconhecer o erro, limpa e abertamente, é o pré-requisito da qualidade e, por isso, um dos alicerces da credibilidade.
Sim. Se errar é humano, reconhecer que errou é sublime. Mas essa ação deve ser feita naturalmente e sem a necessidade de querelas jurídicas, de forma clara, sem subterfúgios, sem dissimulações, e, com humildade, fazendo sua profissão de fé, indo direto ao ponto, dizendo: Nós erramos. Assumimos nossa falha em [...] Repararemos o dano.
E se assim não for, corre-se o risco de um dia ter de publicar, como o “News of the World” em sua derradeira edição, a manchete: “Obrigado e adeus”. Tudo isso é prova provada de que todo Golias também tem o seu dia de encontrar a pedra de Davi.
Entretanto, como também sei que não vivemos a “utopia” de Thomas Morus, relembro que é preciso acreditar que haverá paz na terra somente quando os homens forem de boa vontade e compreenderem, de coração, o que está escrito no Evangelho de Lucas (2, 10-14), ou seja, que a glória somente pertence a Deus que está no céu.
Por outro lado, ao pensar grande, também deve-se ponderar que ficar sofrendo, em face de uma covarde tentativa de difamação, somente estará contribuindo para que aqueles pobres seres descritos nos Salmos, cujos corações só urdem ardis, possuem maus fígados, vivem nas trevas e que as gargantas são como sepulcros escancarados, sibilem e deleitem-se. Pobres tristes seres que esquecem que mentira não emascula a verdade. Repiso: seres Grimas.
Isso posto, erga a cabeça, seja altivo e saiba que sempre é serena a posição de quem está com a verdade. Siga Emmanuel e ignore as mentiras.
Fiel e amigo leitor, tenho aprendido com a vida que, para as infâmias, é bom não olvidar daquilo que o sábio Raul já cantava [...] "Mamãe eu não preciso ler jornais, mentir sozinho eu sou capaz".
Nada obstante, continue lendo os periódicos de folhas soltas encasadas, as revistas e os blogs, até mesmo aqueles que não se pautam nos princípios éticos do bom jornalismo citados no introito deste artigo.
É preciso saber por onde transita o “adversário”, e as aspas coloco-as somente para que fique bem claro que eu uso aqui a triste palavra no mesmo sentido que usou Emmanuel Carrère, no livro reportagem sobre o pobre Jean-Claude Romand, isso mesmo, de anjo mau, no sentido de ser sem alma.
Além disso, não seja timorato, mas também não se exacerbe, pois a Palavra também ensina, como Paulo amigo sempre me lembra, que se deve “ser prudente como as serpentes e manso como as pombas” (Mateus 10,16). Jamais ferozes como os tigres.
Portanto, esteja serenamente atento a tudo e a todos, mas somente aja com a cautela e com a certeza de que realmente vai valer a pena o combate, pois, até na natureza, a tentação de Eva, a serpente, somente morde como última opção e no momento oportuno Afinal, tudo tem seu tempo certo, há tempo para tudo, mas, aí já é outro “livro” de um certo belo Conjunto de Livros.
E, por fim, mas não por último, pratique sempre o amor. E quem ama cuida, protege, perdoa, acolhe e é feliz. O que mais importa?

*Auditor do Tribunal de Contas do Estado da Bahia. Professor Universitário. Escritor.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Salvador sedia I Encontro de Jovens Mulheres Negras


Atenção educadores e gestores sociais...

Em busca de empoderar as jovens mulheres negras de Salvador , o Fórum Nacional de Mulheres Negras realiza no próximo dia 26/11 o I Encontro de Jovens Mulheres Negras da Bahia. O objetivo é dialogar com cerca de 200 jovens garotas na cidade de Salvador capacitando estas mulheres com informações sobre Violência Empregabilidade e Educação, durante todo o encontro, através de palestras e intervenções culturais para que estas jovens se tornem multiplicadoras em suas comunidades.

Faça parte dessa teia de articulação e mude a realidade de sua comunidade.Seja interdiciplinar...

Informações: forumdemulheres_ba@hotmail.com