terça-feira, 27 de setembro de 2011

"Viva Cosme e Damião" em Salvador



Missa e caruru marcam o dia dedicado aos santos gêmeos
escrito por Juliana Dias (A TARDE)

Nesta terça-feira, 27, a vitalidade e a alegria das crianças vão tomar conta das ruas de Salvador. Trata-se do dia dedicado aos santos gêmeos Cosme e Damião. A população baiana celebra a data com a realização de missas, a oferenda do tradicional caruru e a distribuição de doces e guloseimas para a criançada.

Nas celebrações da religião católica, neste ano, a paróquia dedicada aos padroeiros dos médicos e dos gêmeos, localizada no bairro da Liberdade, traz novidade: a participação da imagem peregrina do Senhor do Bonfim na procissão que sai da Paróquia São Cosme e Damião em direção à Igreja da Lapinha. Além das tradicionais missas celebradas hoje a partir das 6h.

O pároco Josevaldo Carvalho do Nascimento celebra pela primeira vez as missas em homenagem aos santos gêmeos e estima a participação de aproximadamente cinco mil pessoas. “Os santos Cosme e Damião era médicos e ofereciam seus serviços sem cobrar pagamento, e hoje, as pessoas estão carentes de saúde física e mental, então a data é uma oportunidade para meditarmos sobre eles e para a evangelização”, disse o padre.

Devoção - Maria Damiana dos Santos tem hoje dois motivos para celebrar: a devoção aos santos gêmeos e o seu aniversário. Aos 82 anos, a senhora se emociona ao falar do carinho e dedicação que tem por Cosme e Damião.

“Sou devota deles desde que nasci. Fui privilegiada de ter nascido nesta data e tenho muito orgulho disso”, conta a senhora, que é natural do município de Cachoeira. Ela e a família participam todos os anos das celebrações católicas da Paróquia em homenagem aos santos gêmeos.

Na história do catolicismo, os gêmeos Cosme e Damião nasceram por volta do ano 260 d.C e eram filhos de uma nobre família de cristãos. Desde muito jovens, ambos manifestaram um enorme talento para a medicina, profissão a qual se dedicaram sem cobrar pelas consultas e atendimentos.


Porque o Conselho Municipal de Mulheres de Salvador foi excluido da III Conferência de Políticas para Mulheres??



Prezadas Amigas e Companheiras de Luta,

Dizem que nada acontece por acaso, assim a III Conferência de Políticas para as Mulheres em Salvador nos deixou um grande legado, que é a possibilidade de refletir comportamentos, analisar atitudes, fazer inferências e buscar informações quer na literatura, quer nas nossas experiências do dia a dia e ou na consulta aos estudiosos da questão e dos fenômenos sociais, para entendermos o que aconteceu aqui na nossa capital.

De pronto esclarecemos que não queremos nos prender ou defender pessoas, mas sim defender as estruturas que acreditamos são importantes na caminhada pelo empoderamento das mulheres da periferia. Acreditamos na necessidade de refletir o modo como facilmente jogamos no lixo construções sociais, defendidas por nós mulheres, e fruto de lutas e conquistas que tem amparo legal no fazer democrático.

Os conselhos institucionalizados a partir da Constituição de 1988 são órgãos colegiados, permanentes, consultivos ou deliberativos, incumbidos, de modo geral, da formulação, da supervisão e da avaliação das políticas públicas de garantia dos direitos humanos, em âmbito federal, estadual e municipal. GOHN, M. G. M. História dos movimentos e lutas sociais. São Paulo: LOYOLA, 1995.

O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher surge a partir das lutas e das reivindicações dos movimentos sociais feministas e de mulheres impulsionado na década de 1970 com a instituição do Ano Internacional da Mulher, em 1975, pela ONU. “Em agosto de 1985, finalmente, foi atendida a histórica reivindicação das mulheres e criado o Conselho Nacional de Políticas para as Mulheres (CNDM), vinculado ao Ministério da Justiça, com o objetivo de “promover em âmbito nacional, políticas que visem a eliminar a discriminação da mulher, assegurando-lhe condições de liberdade e igualdade de direitos, bem como sua plena participação nas atividades políticas, econômicas e culturais do país”. GOHN, M. G. M. História dos movimentos e lutas sociais. São Paulo: LOYOLA, 1995.

O Conselho Municipal da Mulher de Salvador, também tem uma história a ser considerada e respeitada.

Na grande maioria das vezes os conselhos são paritários, formado por representação do poder público e da sociedade civil, cujos representantes se submetem a um processo eleitoral e ao fim dele, são empossados pelo gestor para exercerem a função de conselheiras (os), acompanhar, monitorar e deliberar sobre as políticas no seu campo de ação e competência. São responsáveis por convocar juntamente com o organismo de políticas para as mulheres a Conferência de Políticas para Mulheres.

Assim, estamos querendo entender como o Conselho Municipal de Mulheres de Salvador, foi excluído do papel que lhe foi delegado pelas mulheres desta cidade, já que o processo de eleição das conselheiras ocorreu, e várias entidades se habilitaram a compor o conselho atual, sendo assim co-responsáveis pelo seu fazer.

Daí as perguntas: Quais foram os critérios utilizados para exclusão? Sabemos que existe um Regimento Nacional que orienta Conferências de Políticas para as Mulheres em todo território, respeitando as especificidades de cada estado, foi observado a orientação deste Regimento na questão em foco? Será que é deste modo rasgando as construções históricas que iremos ter mais mulheres no poder? Qual a responsabilidade do poder público na questão?

Talvez não tenhamos nenhuma resposta imediata para as questões levantadas, mas continuaremos provocando as nossas reflexões e partilhando com vocês as nossas inquietações, no sentido de entender como a prática afasta-se tão facilmente da teoria e como é difícil abrir mão dos vícios do poder que em nada ajudam na construção de um novo fazer político-social e de uma sociedade verdadeiramente justa e participativa.

Algo está muito errado. E não vamos nos silenciar!

Rede de Mulheres pelo fortalecimento do Controle Social das Políticas Públicas

I SEMINÁRIO DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS EM SERVIÇO SOCIAL


SERVIÇO:

PÚBLICO ALVO? GRADUAND@S:SERVIÇO SOCIAL,ENFERMAGEM,FISIOTERAPIA AFINS

QUANDO? 15/10/11

HORÁRIO? 8:00h ÁS 12:00h

ONDE?FACULDADE D. PEDRO II/CAMPUS I/AUDITÓRIO

LOCAL? PRAÇA DA INGLATERRA/COMÉRCIO

INSCRIÇÃO? POR E-MAIL OU NO CAMPUS III/LUCIMEIRE (7AN),ROSINETE (5AN).

TAXA DE INSCRIÇÃO: R$3 (TRÊS REAIS)

CONTATO:LUCIMEIRE(8221-0631) ROSINETE (8822-2075) MARIA JOSÉ (8869-3902)

INSTITUIÇÃO CONVIDADA:SUPERINTENDÊNCIA MUNICIPAL DE POLITICAS PARA MULHERES(SPM) GAPA

XLIII Vigília na Estação da Lapa

11° Encontro Nacional da Rede Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Reprodutivos

Audiência pública discute "Educação Quilombola"

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

CONSEG - CHS promove "Painel Memória do Centro Histórico da Bahia"



O Conselho Comunitário, Social e de Segurança Pública do Centro Histórico de Salvador, criado em Outubro de 2004, realizou na tarde desta quinta (22) ,às 15hs , uma reunião deliberativa para os últimos ajustes do I Seminário "Memória do Passado do Centro Histórico de Salvador - Pelourinho Patrimônio da Humanidade - Comemoração do Dia Internacional do Turismo".


O evento acontece nesta segunda (26), das 08 às 18hs, no Museu Eugênio Teixeira e tem como público alvo profissionais de Turismo ,Segurança Pública,Estudantes Secundaristas,Empresários e Universitários visando, através do ciclo de palestras, o aperfeiçoamento e informação de valor histórico,cultural e artístico assinaladores do processo de formação da cultural nacional e proporcionar ao público em geral a divulgação cultural do sentido histórico do Patrimônio Histórico e Artístico da Bahia - Centro Histórico de Salvador (CHS).


Informações :CONSEG -CHS
E-mail: aconselho.comunitario.pelourinho@gmail.com

terça-feira, 20 de setembro de 2011

III Política das Panelas de Desigualdade em Salvador




A Conferência das Panelas - "Panela da Desigualdade" em Salvador - Nota de Repúdio


Quando nascemos escutamos nossas mães negras trabalhar palavras afirmativas para a construção do nosso caráter. O tempo é "madrasto" e transformador porém é determinante no tal "débito histórico" tão citado e argumentado pelo país afora. Os palanques estão cheios e as casas estam desabando.

Como pleitear melhorias públicas para as mulheres negras militantes de Salvador se nossos gestores nos tratam como " cozinheiras de tecido estampado" que desfilam nos corredores dos órgãos públicos? Retornemos no tempo para entendermos a construção da III Conferência Municipal de Política para Mulheres em Salvador (CMPM).

Como construir as deliberações de projetos reais para as comunidades de mulheres negras militantes , partindo do princípio de que nossa gestora municipal Ariane Carla da Superintendência de Política para Mulheres (SPM) não é militante e tampouco integrada as causas de gênero e raça ?

O termo "peregrinação" é o termo exato para definir as dificuldades para a efetivação de um evento como esse : a III Conferência Municipal de Política para Mulheres em Salvador.

Peregrinação regada a reuniões exaustivas para "costurar" estratégias relevantes a construção de pré-conferências para empoderar e esclarecer as mulheres dentro de suas comunidades.

Peregrinação para compor " a golpes de foice" a Comissão de Coordenação Executiva da III CMPM para que ludicamente fosse acompanhada a parte operacional da construção da Conferência Municipal de Mulheres na capital baiana.

"Panelas" a parte,o tão "articulado" dia chegou e todas as militantes se deslocaram para o Hotel Sol Bahia (Patamares).Antecedendo a "panela de pressão", o credenciamento foi o "tempero" a parte neste prato servido "frio" às militantes mulheres militantes da cidade de Salvador.

Voltanto à "cultura regional dos brindes" presente no íntimo do povo baiano, o Centro Cultural da Barroquinha de longe mais parecia o dia de entrega dos abadás de blocos populares. Mulheres esclarecidas e afirmando ter todos os seus "títulos acadêmicos", mais pareciam "feras ávidas" por um kit do evento com utensílios inexpressivos para o "propósito real" do evento.

Quando se faz extinta qualquer problematização para chegar ao local do evento, nos deparamos com a "pressão" da demagogia gestora no local. Toda "panela" tem hora para ser colocada no "fogo", e , em se tratando de Conferência Municipal em Salvador, todos os "pratos" foram colocados sem estar devidamente "preparados" para ser colocados " à mesa".

Militantes dos mais diversos segmentos e bairros de Salvador , assitiram as suas causas públicas/políticas ser "escaldadas" pelo descaso e ausência da gestora da SPM, órgão supremo delegado para projetar e requerer recursos financeiros junto a Casa Civil para a realização da III CMPM.

O tão sonhado "destaque" , termo utilizado em votação e alteração para textos de regimento interno de uma ação ,audiência e/ou conferência pública, desta vez vai para a gestora da SPM.

Quando voltamos a nossas " raízes maternas" entendemos os motivos exaustivos de nossas mulheres aconselharem seus filhos para o caminho do bem e o caminho permeado pelo caráter e a determinação por um foco e/ou meta no decorrer de suas vidas.

O que dizer e o que pensar de uma gestora assim? Como se é permitido uma mulher estar gestando um órgão público de forma tão desastrosa e inábil como faz categoricamente a Superintendente da SPM?

Que "políticas" verdadeiramente "públicas" são aplicadas por nossos superiores ao ponto de compactuar com uma mulher que envergonha a sua classe de forma espontânea e aberta à aqueles que transitam no cenário do movimento de mulheres em Salvador?

O que pensar? O que gerir? A quem recorrer? A quem suplicar mudanças?

Foram liberados R$80 mil para a execução da III CMPM e as mulheres presentes se depararam com a exaustiva "batalha burocrática" para minimizar os problemas no local graças a determinação de mulheres como Eliana Boa Morte (representante e militante negra da SPM) e DrªCélia Sacramento ( presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher - CMM).

A cada sinal de "explosão" das pequenas "panelas de pressão" nas dependências do Hotel Sol Bahia , estas mulheres utilizavam a " boca de ferro" para encaminhamentos e novos direcionamentos para que não se chegasse aos caos completo.

Nestes dois dias de Conferência Municipal em Salvador , a tão sonhada "salada da politicagem" não foi servida à mesa das militantes presentes. O "prato principal" foi a união de forças e notas de repúdio a "gestão matrix" de Ariane Carla de Oliveira Pereira.

Até quando conviveremos com esse "cardápio indigesto" aos olhos das mulheres militantes da Bahia?

escrito por Patrícia Bernardes
( Jornalista,Gestora Social e Secretária Geral do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher em Salvador)

domingo, 11 de setembro de 2011

"Hospital de Orixás" é lançado em Salvador



Serviço

O quê: Lançamento Coletivo EDUFBA – Setembro de 2011

Quando: 20 de setembro de 2011, terça-feira, às 17h30

Onde: (Reitoria da UFBA, Canela – Salvador, Bahia)

Quanto: Entrada Franca