segunda-feira, 30 de maio de 2011

Exposição "Mulheres Negras da Irmandade da Boa Morte (BA) "



O Museu Afro Brasil, instituição da Secretaria de Estado da Cultura apresenta a exposição Mulheres Negras - A Irmandade da Boa Morte de Cachoeira. Com fotos do fotógrafo e etnólogo Pierre Verger (1902-1996) e de Adenor Gondim, apresenta também jóias crioulas, como os famosos balangandãs baianos, e uma imagem original de Nossa Senhora da Boa Morte do século XIX, trazida especialmente da cidade de Cachoeira, localizada no Recôncavo da Bahia, para esta exposição. Ao todo são 90 peças, e ainda uma instalação que transmite imagens de um documentário especial sobre a sociedade formada exclusivamente por mulheres negras. A Irmandade da Boa Morte é uma organização católica com sede na Bahia, composta por mulheres acima de 45 anos de idade, que também são adeptas do Candomblé. Uma das mais velhas integrantes, é a yalorixá Mãe Filhinha, com 107 anos. Entrada gratuita. Até 24 de julho.

O Museu Afro Brasil – Organização Social de Cultura, vinculado à Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo, é um espaço de preservação e celebração da cultura, memória e da história do Brasil na perspectiva negro africana, assim como na difusão das artes clássicas e contemporâneas, populares e eruditas, nacionais e internacionais. Localizado no Parque Ibirapuera, em São Paulo, foi inaugurado em 23 de outubro de 2004 e possui um acervo de mais de cinco mil obras. Parte das obras, cerca de duas mil, foram doadas pelo artista plástico e curador, Emanoel Araujo, idealizador e atual Diretor Curador do Museu. A biblioteca do museu, cujo nome homenageia a escritora, “Carolina Maria de Jesus”, possui cerca de 6.800 publicações com especial destaque em uma coleção de obras raras sobre o tema do Tráfico Atlântico e Abolição da Escravatura no Brasil, América Latina, Caribe e Estados Unidos. A presença negra africana nas artes, na vida cotidiana, na religiosidade, nas instituições sociais são temas presentes na biblioteca. O museu mantém um sistema de visitação gratuita para todas as exposições e atividades que oferece; um Núcleo de Educação com profissionais que recebem grupos pré-agendados, instituições diversas, além de escolas públicas e particulares. Através do Núcleo de Educação também mantém o programa “Singular Plural: Educação Inclusiva e Acessibilidade”, atendendo exclusivamente pessoas com necessidades especiais e promovendo a interação deste público com as atividades oferecidas.

Funcionamento: de terça a domingo, das 10 às 17 horas (permanência até às 18h) Estacionamento: Portão 3 – Zona Azul Entrada: Grátis Classificação: Livre Para maiores informações: faleconosco@museuafrobrasil.org.br Para agendar visitas: agendamento@museuafrobrasil.org.br ou Fone: 55 11 3032-8900 ramal 121

Secretário da Cultura: Andrea Matarazzo

Diretor curador: Emanoel Araujo

Diretor executivo: Luiz Henrique Marcon Neves

Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, s/ nº Parque Ibirapuera- Portão 10 São Paulo- SP - Brasil CEP: 040094-050 Fone: 55 11 3320-8900

www.museuafrobrasil.org.br

Assessoria de Imprensa : Central de Comunicação Atendimento : Claudia Alexandre (central@centraldecomunicacao.com.br); Paula Costa e Michela Gonçalves (comunicacao@museuafrobrasil.org.br)

quarta-feira, 25 de maio de 2011

"Almoço e Projetos" no Casarão Cultural



Acontece no próximo dia 28/05 sábado no Casarão Cultural 155 o segundo Almoço e Projetos, promovendo o encontro de diversos artistas das mais variadas áreas de atuação para apresentar os seus projetos individuais e definir parcerias no desenvolvimento de novos projetos culturais. Idealizado pelos profissionais Edson Ferreira (fotografo e Produtor Cultural), Deyse Vasconcelos (Fotografa) e Valeria Macedo (Jornalista ) o evento seguirá o seguinte roteiro :

1- Projeto : Teatro Informal – Conversa de Bastidor , que propõe definir um dia nas semanas de julho para reunir o pessoal de Teatro em pequenas performances e uma conversa agradável . A idéia é atrair artistas como Hamilton Lima, Paulo Atto, Márcia Andrade, Wilton Rafael, Selma Santos, Bando de teatro Olodum entre outros .

2- Projeto -Artistas Independentes em Foco – Divulgando gravações independentes de artistas locais e definindo estratégias de divulgação dos trabalhos. Neste primeiro evento conheceremos o mais novo projeto musical e o acervo da cantora Tate Lima.

3- Projeto :Fotografia em 04 tempos – A cada encontro promover exposição fotográfica de 04 artistas que desenvolvam técnicas bem diferente.

4- Projeto : Um Olhar Fantástico – Uma exposição para divulgar o que de melhor vem sendo feito na fotografia mundial.

5- Projeto : Receita de Casa : Tem o objetivo de promover a cada encontro 02 pratos fantásticos criados pelos participantes com o intuito de reunir receitas exóticas e ao mesmo tempo simples para compor um cardápio ou catalogo personalizado. Nesta edição teremos uma variação da Maniçoba do Recôncavo acompanhada de Quiabo Empanado, Tomates Verdes Fritos e Farofa de Rúcula com Lingüiça e além da Maniçoba teremos o Espaguete ao Fumeiro acompanhado pelo Pernil de Porco Doce/Azedo, criações da nossa Chef de cozinha Rosa Badaf.

6- Projeto : As Mulheres que Fazem a Moda : Neste primeiro evento divulgar a produção das estilistas Madá NEGRIF e Sarai Santos IFAVEST.

7- Conversa de Imprensa: Bate papo com jornalistas para comentar dificuldades e sugestões para melhor o processo de divulgação do artista independente.


enviado por : Madá Negrif

Professores denunciam educação na Bahia



Os Professores da Rede Pública Estadual vem a público denunciar a situação caótica vivida pelos docentes e profissionais de educação pela política educacional posta pelo Governo Estadual:

- Falta de segurança nas escolas.

- Condições higiênicas que não atendem a saúde da coletividade escolar.

- Ausência de condições e de pessoal (merendeiras) adequados para a manipulação e de distribuição da merenda escolar.

- Falta das cadernetas de freqüência e de rendimento escolar nas unidades de ensino, que tiveram suas atividades iniciadas em 07/02/2011.

- Enturmação, diminuição da quantidade de turmas e de professores nas escolas, provocando "Crime Pedagógico", piorando a qualidade de ensino.

- Professores com tempo de serviço vencido para a aposentadoria, trabalhando de “graça" à espera da boa vontade da Secretaria de Educação para liberação dos seus direitos.

- Descumprimento aos direitos garantidos pelo Estatuto do Servidor Público da licença prêmio a cada 5 anos, independente do tempo de serviço.

- Obrigatoriedade da classe docente em prestar outro concurso, avaliação de desempenho- certificação.

- O autoritarismo da Secretaria de Educação impede a autonomia das Escolas nas decisões que lhes são próprias.

- Legalização do processo eleitoral para diretores das escolas.

FONTE: Prª Diana Costa (CONEN/BA)

"Dia Internacional da África" na SCDH



Convite

O secretário da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos

Almiro Sena

tem a honra de convidar V.Sa. para participar da comemoração do Dia Internacional da África que ocorrerá no dia 26 de maio de 2011, às 19h, no Museu Eugênio Teixeira Leal, Rua Açouguinho, nº. 1 – Pelourinho. Neste dia estaremos celebrando o grande patrimônio cultural herdado da África: nossa africanidade. Também serão prestadas homenagens a personalidades e instituições que ajudaram na manutenção dessas tradições africanas no Estado da Bahia.

Fonte: ASCOM SJCDH

Abdias do Nascimento: 97 anos de militância

domingo, 22 de maio de 2011

SENAI promove capacitação no Bonfim


Informações: (71) 2303-9691 / SENAI DENDEZEIROS

sábado, 21 de maio de 2011

8º Congresso UBM



Ativistas da União Brasileira de Mulheres (UBM) de todo o país estarão participando nos dias 10, 11 e 12 de junho, na cidade de Praia Grande (São Paulo), da oitava edição do Congresso Naciona da UBM. As temáticas da luta feminista que têm de estar na pauta do congresso nacional fará partes dos debates presente neste evento que tem como tema central “A participação política da mulher e o desenvolvimento do Brasil".

Mulher e Desenvolvimento do Brasil - A temática central do VIII Congresso será a Participação Política da Mulher e o Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento, e terá como subtemas: Trabalho e Autonomia Econômica, Educação Inclusiva, Não Sexista, não homofóbica, Cultura e Mídia, Reforma Urbana e Meio Ambiente e A luta contra a violência Doméstica e Familiar. Antes da realização do congresso nacional, as coordenadorias estaduais da UBM farão encontros, plenárias e/ou Congressos Estaduais, para debater o regimento do evento. As atividades serão divulgadas aqui no site da UBM.

O evento acontece nos dias 10, 11 e 12 de junho, na cidade de Praia Grande (São Paulo). As ubemistas ficarão alojadas na Colônia de Férias dos Têxteis, que comporta 290 lugares, e também nos Metalúrgicos (200 lugares).

Mais informações sobre o evento:

E-mail do Congresso: 8congressoubm@ubmeulheres.org.br
Comunicação da UBM: ubmulheres@ubmulheres.org.br

“ESTATUTO DO NASCITURO” é prejudicial a saúde



“10 Razões pelas quais o “ESTATUTO DO NASCITURO”, Projeto de Lei No. 478/2007, é prejudicial à saúde e aos Direitos Humanos das Mulheres”

Por que:

1. Amplia a criminalização do abortamento para as situações que hoje são permitidas por lei. Dificulta o acesso das mulheres ao aborto legal, já bastante limitado no Brasil, e pode ser ainda mais restringido caso este projeto de lei seja aprovado. Até as mulheres
que tem o direito ao acesso ao aborto previsto em lei seriam criminalizadas, como nos casos de risco de vida e nos casos de estupro. O projeto obriga vítimas de estupro a suportar a gravidez resultante do crime, agravando sobremaneira seu quadro de estresse pós-traumático, o que põe em risco sua saúde mental. A situação é especialmente preocupante considerando o grande número de crianças e pré-adolescentes grávidas em decorrência de abuso sexual, grande maioria destas, é vítima de abusos sexuais durante anos por parte de pais, padrastos ou outros familiares. O projeto obrigaria vítimas de pedofilia a suportar gestações que, além de traumáticas, são de alto risco, pois seus corpos não estão completamente formados. É uma violação do direito constitucional de não sofrer tratamento cruel, desumano ou degradante.

2. Viola o direito à igualdade entre homens e mulheres. De acordo com o projeto de lei, as mulheres grávidas passam a ser consideradas como criminosas em potencial. Se uma mulher sofrer um abortamento espontâneo – 25% das gestantes podem sofrer abortamento espontâneo no início da gravidez – em uma situação extrema, pode ser alvo de uma investigação policial ou ser processada por ter violado o direito à vida do embrião.

3. Em especial, discrimina as mulheres em situação de maior vulnerabilidade. Mulheres de baixa renda, negras, com pouca escolaridade, jovens e com limitado acesso aos serviços de planejamento familiar seriam as mais afetadas. São essas mulheres que correm o maior risco de morrer ou sofrer complicações devido a abortos inseguros.

4. Aumenta as taxas de abortos inseguros. O aborto inseguro é uma questão de Direitos Humanos das mulheres e questão de saúde pública no Brasil, onde anualmente quase duzentas mulheres morrem e milhares sofrem sequelas devido a práticas clandestinas e não seguras. Está, portanto, na contramão da tendência de revisão ou ampliação das leis restritivas em relação ao aborto no mundo, como ocorreu recentemente em Portugal, Colômbia, Uruguai, México e Espanha. As evidências têm demonstrado que a simples proibição do aborto em nada tem contribuído para diminuir sua prática, mas contribui para o risco de aborto inseguro e clandestino. Mulheres vítimas de estupro também recorreriam a abortos inseguros, o que, além de ameaçar sua saúde e sua vida, poderiam levá-las a ser processadas criminalmente, gerando grande estresse emocional a uma mulher já tremendamente traumatizada.

5. Viola os tratados internacionais de Direitos Humanos dos quais o Brasil é signatário, que não estabelecem o direito à vida para fetos e embriões. O projeto de lei confere proteção ao direito à vida do embrião em detrimento às realidades concretas e materiais vividas e enfrentadas por mulheres que possuem autonomia e são titulares de direitos constitucionais à saúde, à liberdade, à igualdade e à não discriminação. Viola os direitos fundamentais e invioláveis á vida e à saúde das mulheres ao dar prioridade absoluta e proteção integral ao embrião, proíbe qualquer ato que ameace a continuidade da gravidez, mesmo que tal ato seja necessário para preservar a saúde ou a vida da mulher.

6. Os Direitos Constitucionais garantidos para as mulheres podem estar ameaçados, se for aprovado. Viola o princípio constitucional do Estado Laico. Os valores morais das religiões vigentes, além de diversos, não devem influir na vida sexual e reprodutiva privada das mulheres. Não existe consenso científico sobre quando começa a vida. Elaborar lei que diz que a vida começa na concepção é impor tal idéia, que tem sua origem em segmentos conservadores dogmáticos, sobre toda a população brasileira, violando a separação entre igreja e estado, e a liberdade religiosa dos que seguem outras doutrinas.

7. Implica em mais custos para o Estado. No Brasil, a partir de dados do SUS, estima-se um gasto anual de cerca de 29 milhões de reais, por conta da média de 238 mil curetagens decorrentes de complicações do aborto inseguro por ano. Se o projeto de lei for aprovado os custos aumentarão ainda mais, pois obriga o pagamento de pensão para as mulheres que engravidam por estupro. Além disso, os abortos inseguros aumentariam, pois as vítimas de estupro recorreriam a eles.

8. O projeto ainda prevê uma bolsa para as mulheres vítimas de estupro criarem seus filhos, porém esta bolsa só será viável se a mulher denunciar o estupro. É, portanto, ineficiente, pois se sabe que muitas mulheres não o denunciam por medo, vergonha, ou por conhecer o agressor. Mesmo quando houver a adoção, as mulheres ainda levarão adiante uma gravidez indesejada, sem que possam exercer a autonomia reprodutiva criando uma situação análoga à da tortura. Haveria aumento no número de recém-nascidos abandonados por mulheres sem condições emocionais de criá-los. O pagamento de pensão pelo estuprador à criança, fruto de seu crime, é perigoso, pois cria mecanismos que poderiam possibilitar que o criminoso rastreasse o paradeiro de sua vítima e de seu filho.

9. Cria barreiras para o acesso à contracepção. O projeto de lei pode ser um obstáculo para o acesso a métodos contraceptivos, à anticoncepção de emergência, sob o argumento da proteção ao direito à vida do ovo, embrião ou feto.

10. O projeto de lei proibiria pesquisas com material embrionário. Sabe-se que o uso de células-tronco embrionárias em pesquisas foi autorizado por decisão histórica do Supremo Tribunal Federal (STF), em 2008. O STF decidiu que o direito à terapia com células-tronco integra o direito à saúde. O projeto, portanto, é inconstitucional pois restringe tal direito, que é inviolável.

FONTE: Jornadas Brasileiras pelo Aborto Legal e Seguro

Médicas lutam por mudanças no SUS



A redação da Carta de Porto Alegre encerrou as atividades do 2º Enconto Nacional de Mulheres das Entidades Médicas, realizado nos dias 19 e 20 de maio, no Hotel Sheraton, em Porto Alegre. Entre os principais pontos que serão levados aos que representam a profissionais, está a manutencão da luta contra a violência, discriminação e por mudanças políticas de gênero no Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com a vice-presidente do Sindicato Médico do RS (SIMERS), Maria Rita de Assis Brasil, que é secretária de Discriminação e Gênero da Federação Nacional de Médicos (Fenam), promotora do evento, é fundamental a busca por maior representatividade nas entidades médicas em todo o País. "Hoje, médicas com menos de 30 anos e estudantes de Medicina já são 50% dos profissionais e é preciso uma representação proprocional", destaca.


Com o tema
União é a Nossa Identidade, o evento, inédito na Região Sul, teve como objetivo traçar um panorama da atuação feminina na Medicina, as especificidades para o desempenho das jornadas de trabalho, os direitos humanos e a saúde (tema que ganha cada vez mais relevância diante da insuficiência de financiamento e estrutura de assistência), o assédio moral, a trajetória histórica da presença das mulheres no setor e a inserção na política brasileira.

Fonte: SIMERS

terça-feira, 17 de maio de 2011

Ceifar apoia "Museu Vivo" do Forte São Marcelo



O Centro de Integração Familiar (CEIFAR) em parceria com o Núcleo de Interpretação do Patrimônio ( NIP) e a Associação Brasileira dos Amigos de Fortificações (ABRAF) informa aos soteropolitanos que o Projeto "Museu Vivo" do Forte São Marcelo continua funcionando a todo vapor.

Além das apresentações que contam a história da Baía de Todos os Santos a céu aberto, o NIP em conjunto com o CEIFAR inaugurou duas exposições aberta ao público dos dias 17 a 20/05/2011 com o tema "Cidade Fortaleza" e "Recrutamento Militar no Período Colonial".

Maiores Informações :Edva Barreto ( Diretora do Núcleo de Interpretação do Patrimônio do Forte São Marcelo / NIP) ou Anderson Moreira (Museólogo)

+ 55 71 9951-7830
+ 55 71 8745-6735
+ 55 71 9136-3658