sexta-feira, 9 de abril de 2010

Reportagem Narrativa


Segundo Maria Helena Ferrari e Muniz Sodré em Técnica de reportagem: notas sobre a narrativa jornalística, “a reportagem é o lugar por excelência da narração jornalística”. Mas o que é reportagem? Fundamentada, sobretudo, na predominância da forma narrativa, a reportagem possui outros elementos relevantes.

1 - A humanização no relato dos fatos, pois gera identificação com as personagens na narrativa. A humanização se acentua quando a descrição é feita por um indivíduo que não só foi testemunha do acontecimento, mas também participou dele (fonte testemunha).

2 - Conforme a humanização aumenta, maior é a natureza impressionista do relato, outro aspecto significativo de uma reportagem, pois permite uma aproximação entre público e acontecimento, garantindo a verossimilhança, fundamental em uma reportagem. Todavia, não se pode confundir essa natureza com emotividade.

3 - A objetividade possível num relato jornalístico é essencial. Possível, porque não se pode falar em objetividade total, já que, mesmo tentando se isentar de opiniões, o jornalista é influenciado por seus valores e pelo contexto socioeconômico em que vive. A simples seleção de fatos e do que será relatado sobre eles já denota certa parcialidade. A objetividade pode ser entendida, então, como um estilo direto e conciso, que mantém o máximo de distanciamento possível. As informações precisam ser exatas e verdadeiras. Deve haver, portanto, uma narrativa fiel do acontecimento. A partir do que foi dito, pode-se dizer que uma reportagem deve oferecer ao receptor a chance de fazer sua própria avaliação.

De modo geral, é possível dividir a reportagem em três tipos principais:

1) REPORTAGEM DE FATOS (fact-story): descrição objetiva de um fato. Os acontecimentos são narrados em sucessão, a partir de uma ordem de importância, segundo a forma de pirâmide invertida.

2) REPORTAGEM DE AÇÃO (action-story): relato que possui um certo movimento e se inicia sempre pelo dado mais atraente para depois descrever detalhes. Ela objetiva envolver o leitor em sua descrição. Em muitas situações, o repórter participa da narrativa, deixando de ser apenas um observador. Quando o jornalista se passa por outra pessoa para obter informações ou quando está presente em filmagens de momentos que oferecem perigo tem-se justamente casos em que ele é personagem da narrativa.

3) REPORTAGEM DOCUMENTAL (quote-story): é o relato documentado, que possui declarações que ajudam a esclarecer o assunto discutido. Por aproximar-se da pesquisa, este tipo de reportagem assume características de cunho pedagógico. Bastante comum no jornalismo impresso, é utilizado também na televisão e no cinema.
Esta divisão, no entanto, não ocorre de forma rígida. Na verdade, estes elementos geralmente se misturam, sendo que um dos tipos é predominante na narrativa.

Nenhum comentário: