terça-feira, 22 de setembro de 2009

O que é Caruru?


O caruru é um prato típico da culinária baiana, originalmente africano, utilizado como comida ritual do candomblé, provavelmente trazida para o Brasil pelos escravos africanos. Pode-se comer acompanhado de acarajé ou abará e de pedaços de carne (frango ou peixe).Segundo Guilherme Piso, que viveu em Pernambuco (1638-1644), o "caruru" é de origem indígena, e designava uma erva de uso medicinal e alimentício. No relato, em seu Historia Naturalis Brasiliae, o médico do conde Maurício de Nassau informa que "come-se este bredo (caruru) como legume e cozinha-se em lugar de espinafre...". Outro relato, em 1820, na Amazônia, por Von Martius, cita o "caruru-açu", durante uma refeição com os nativos, próximo ao rio Madeira, quando experimentou "um manjar de castanhas socadas com uma erva parecida com o espinafre...". Durante sua visita à África, em 1957, o Padre Vicente Ferreira Pires chamou de "caruru de galinha" a refeição em Daomé, revelando que o caruru já possuía influência afro, pelo uso do dendê, palmeira de origem africana.Originalmente, o caruru brasileiro era um refogado de ervas que servia para acompanhar outro prato (carne ou peixe). Mais africano que indígena, o caruru é feito com o quiabo, a pimenta-malagueta, camarão seco e dendê.
Modo de preparo: Doure, em 1/2 xícara de azeite-de-dendê, 1 cebola grande picada e dois dentes de alho picados. Adicione 1 kg de quiabo cortado em pedaços de 1 cm, suco de meio limão e um litro de caldo de galinha. À parte, aqueca 1/2 xícara de dendê e frite 1 frango picado (até dourar), temperado com sal, pimenta, cebola e alho picados e reserve. Quando o quiabo estiver macio, tempere com sal e pimenta-malagueta a gosto. Adicione acelga, bertália, almeirão, mostarda e espinafre, rasgados grosseiramente. Cozinhe em fogo baixo até que o quiabo comece a se desmanchar. Se necessário, adicione um pouco mais de caldo. Junte os pedaços de frango e e sirva em uma gamela de madeira. Rendimento: 6 porções.

fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre

Nenhum comentário: