segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Quando a nossa atividade profissional não agrada mais.E aí?

“Praticar a justiça é alegria para o justo, mas espanto para os que praticam a iniquidade” Provérbios 21.15

As pessoas podem pensar que estão agindo de forma correta, mas Deus vê as intenções delas. Frequentemente temos de fazer escolhas em áreas onde é difícil discernir como se deve agir corretamente. Diante de decisões, devemos primeiro tentar identificar nossas intenções e perguntara Deus se Ele está de acordo com meus reais motivos para agir em prol do que queremos? Deus não fica contente quando praticamos boas ações apenas para receber algo em troca.

Os sacrifícios não são como subornos ou ofertas que visam fazer com que Deus desista de punir por causa de nossa falta de caráter. Nenhuma quantia generosa ofertada é capaz de compensar procedimentos que não sejam caracterizados pela justiça na vida pessoal e na profissional.

A conclusão de um trabalho é uma grande realização. Ser um trabalhador diligente não é algo natural; é o resultado de um forte caráter. Não procure atalhos que resultem em ineficiência! Trabalhe arduamente em todas as suas atividades, como se estivesse executando algo para Deus.

Normalmente é melhor aprender com os erros dos outros do que com os nossos. Podemos fazer isto ouvindo conselhos de pessoas experientes. ouça-os antes de seguir adiante e aprender de modo mais difícil.

Devemos trabalhar para ajudar a suprir as necessidades dos pobres e proteger seus direitos, porque um dia poderemos estar na posição dos que precisam de tais serviços.

Deus não quer apenas nossos sacrifícios de tempo, energia e dinheiro; quer o nosso coração, nosso completo amor e devoção. Podemos subornar pessoas (Provérbios 21.14), mas não a Deus.


fonte: Lucia Itamara ( Missionária )

Nenhum comentário: