quinta-feira, 16 de julho de 2009

Mudança no percurso do circuito do Campo Grande divide opiniões


A proposta de revitalizar o circuito Osmar Macedo (Campo Grande/ Avenida) feita por Reginaldo Santos, membro do Conselho Municipal do Carnaval, vem dividindo a opinião dos produtores e artistas que fazem a festa. A reportagem do CORREIO foi conferir a polêmica e,embora a maioria dos artistas consultados (15) seja favorável, existem vozes de peso discordantes.

Bell Marques, líder do Chiclete com Banana, é uma delas: “As coisas não podem ser mudadas assim de repente”, afirma. O pensamento de Bell, contudo, difere realmente da maioria dos seus colegas. O cantor Tatau, por exemplo, acha que o projeto precisa de alguns ajustes, mas é bom. “Tudo que vem para melhorar deve ser bem-vindo, mas a resposta se funciona ou não a gente só vai saber na avenida ”, pondera o cantor.

Ivete Sangalo, estrela de primeira grandeza da folia baiana, também é favorável à mudança. Para ela, acima de qualquer coisa, o que importa é o Carnaval de Salvador. Netinho faz coro com a cantora. “Como artista, folião e amante do Carnaval de Salvador, fico feliz com essa tentativa de mudança e organização. Ainda bem que os responsáveis pela organização do Carnaval estão raciocinando e se movendo em prol de uma nova ordem para a nossa grande festa”, diz.

A opinião é compartilhada por Denny, da Timbalada, e por Fred Moura e Katê, do VoaDois. O pessoal do axé tem o reforço dos pagodeiros. Eddye, do Fantasmão, uma das sensações do último Carnaval, assina embaixo: “Concordo com a mudança. Para o artista que toca todos os dias no Carnaval, como é o caso do Fantasmão, a maratona é muito desgastante e os meses que antecedem a festa já são agitados por conta dos ensaios de Verão”.

De todo modo, o projeto elevou a temperatura entre os profissionais envolvidos na maior festa popular do planeta. O que até então era um consenso (tentar reverter o visível quadro de decadência desse circuito e valorizar a Praça Castro Alves), se transformou em dor-de-cabeça para muita gente, incluindo artistas,empresários e até mesmo o prefeito de Salvador.

Com o vazamento da notícia de que em 2010 os blocos de trio não mais fariam o retorno pela Rua Carlos Gomes (exceção apenas para as entidades afros Ilê Aiyê e Olodum e o afoxé Filhos de Gandhy) e acabariam o desfile em frente ao Edifício Sulacap , os ânimos se exaltaram.

Afros

Antonio Carlos do Santos, o Vovô do Ilê Aiyê, está do lado de Bell Marques. Apesar de aparentemente ter o privilégio de passar pela Carlos Gomes, o presidente do bloco afro argumenta: “ Vou ter muitos problemas. O associado do Ilê Aiyê já reclama quando eu recolho o bloco, imagine então com o percurso reduzido? Além do mais, essa mudança precisa de uma avaliação técnica. Será que a Ladeira da Montanha vai aguentar essa concentração de trios?”.

Aguinaldo Silva, presidente dos Filhos de Gandhy, também diz não concordar com o fim do desfile na Castro Alves, com os trios descendo pela Ladeira da Montanha. Filho do saudoso Osmar Macedo, que dá nome ao circuito, o músico Armandinho se mostra cauteloso. “Minha expectativa é que tudo isso venha melhorar a Castro Alves, mas não me venham transformá-la num estacionamento de trios!”

A opinião do folião

No meio da polêmica encontram- se os foliões que já compraram o abadá do Camaleão e que não estão satisfeitos. O publicitário Márcio Ventura é um deles: “Querer mudar as regras seis meses ante do Carnaval não é justo. É falta de respeito”. O personal trainer Vagner Ferreira diz que só não entra na Justiça porque é fã do Chiclete.

Por sua vez, o prefeito João Henrique assume tom conciliador: “O objetivo é revitalizar o Carnaval do Centro. Vamos fazer debates, pesquisas populares e, a partir de uma análise técnica, aprovar ou não a mudança no circuito ou encontrar uma solução para 2011, para não prejudicar o consumidor”.

Opiniões dos artistas

'Acredito que vai funcionar, sim. As pessoas trabalham com isso, pensam nisso, prezam por isso', Claudia Leitte, cantora

'Acho que pode ser muito positivo para o Carnaval. Se tudo for feito para beneficiar o povo, eu concordo', Marcio Victor, cantor do Psirico

'Não importa o percurso. O importante é o Carnaval de Salvador', Ivete Sangalo, cantora.

'A mudança será boa para o Carnaval, que não pode acabar nunca! Vamos ter qualidade no circuito', Saulo Fernandes, vocalista da Banda Eva

'Ainda não posso avaliar se a mudança será positiva ou negativa, mas a experiência pode ser feita', Margareth Menezes, cantora

'Eu sou totalmente contra a mudança e acho precipitada. Não existe mudança sem ouvir a opinião do folião. O Carnaval é muito grandioso. Não sou eu nem um grupo que deve determinar uma mudança tão radical. Tem que ter um projeto estruturado. Estou decepcionado com a atitude dessas pessoas. Querer encerrar o desfile ali no Sulacap acho uma temeridade. Em vez de ser uma coisa que ande mais rápido, vai se transformar num transtorno. Eu falo pelo meu bloco, porque eu estou ali em cima do trio e vejo tudo.

Eu deixei bem claro para o pessoal da Central do Carnaval: se for feita a mudança eu saio este ano, porque tenho compromisso, mas ano que vem o Chiclete com Banana fica apenas na Barra. Existem blocos que ainda não venderam. Nós já vendemos e temos responsabilidade perante as pessoas. E quem comprou, como é que fica? Existem pessoas insatisfeitas que querem mudar porque o Carnaval não é rentável para elas”. Bell Marques, vocalista do Chiclete com Banana.


Nenhum comentário: